Laranja Mecânica, Anthony Burgess

laranja mecânica resenha livro

O livro, narrado em primeira pessoa, conta a história do icônico Alex Delarge. O cenário de Laranja Mecânica é uma sociedade futurista, em que a violência atinge uma proporção absurda, e provoca uma resposta ainda mais absurda de seu governo totalitário. Nesse ambiente, o adolescente de 15 anos lidera um grupo de jovens de delinquentes, cujas atividades incluem crimes como assassinato, roubo, espancamento e estupro.

laranja mecânica resenha livro

Numa das costumeiras noites de violência e diversão, Alex é detido e condenado a ficar preso por 14 anos. Durante os dois primeiros anos de reclusão, demonstra ainda muita selvageria, e estar longe de se tornar uma pessoa menos violenta. O governo decide então submetê-lo à Técnica Ludovico. Um tratamento, ainda em fase de experimentação, que promete extinguir a violência no indíviduo, assim como qualquer traço de maldade – assim, reduzindo a superlotação nos presídios, e até mesmo o próprio impulso criminoso.

A obra é dividida em três partes. A primeira tem como foco a vida das gangues nadsats (adolescentes), descrita a partir da relação entre Alex e seus amigos, e ainda o desrespeito a qualquer tipo de instituição, seja no desafio às leis, e sua relação com a escola e também com a família. Na segunda parte, temos a prisão e o tratamento Ludovico. A inserção de Alex de volta à sociedade, e os reflexos e marcas deixados pelo confinamento e pela tortura são descritos na terceira parte.

laranja mecânica resenha livro

Laranja Mecânica provoca uma série de reações totalmente distintas, tanto pelo próprio conteúdo, forte e chocante, quanto pela escrita, extremamente criativa e imersiva. Em primeiro lugar, há uma metrópole genérica, que pode ser reproduzida e compreendida por qualquer leitor – Burgess exemplifica citando uma junção de Nova Iorque, Manchester e Leningrado. Essa cidade é atormentada por jovens que fazem parte do que pode ser entendido como uma gangue ou tribo, com sua linguagem e vestes próprias – um fenômeno não muito distante da realidade. Esse modo de falar, é algo semelhante a uma mistura de inglês e russo.

O linguajar, tanto do filme como do livro (…) não é mero enfeite (…). Foi criado para transformar Laranja Mecânica, entre outras coisas, em uma cartilha sobre lavagem cerebral. Ao ler o livro ou assistir ao filme, você se verá, no final, de posse de um mínimo vocabulário russo – sem nenhum esforço, para sua surpresa. É assim que funciona a lavagem cerebral.

– A. Burgess, 1972.

laranja mecânica resenha livro

Nadsat é repleto de gírias e expressões, rimas e ritmo quase lírico. Desafia o leitor a adaptar-se a esses recursos linguísticos para compreender melhor a história. Assim como Antony Burgess cita, nos primeiros momentos temos dificuldade em relacionar o termo ao seu significado, algo que passamos a fazer intuitivamente nas próximas páginas. Inclusive, terminamos o livro incorporando algumas expressões. Há um glossário dos termos nadsat no final do livro, para o leitor que quiser consultá-los.  Por ser algo proposital, esse recurso se torna ainda mais grandioso. Outro ponto é que a edição comemorativa de 50 anos da obra, feita pela Editora Aleph, traz um texto genial explicando os critérios utilizados para traduzir a obra.

Há, é claro, crítica social muito forte no texto. A violência, o sistema carcerário e sua ineficácia em ressocializar os indivíduos, a adolescência, amadurecimento, perda e o lívrio arbírtrio. É possível falar em caráter quando não se tem escolhas? Esses são alguns dos principais pontos questionados por Laranja Mecânica. Mesmo mais de meio século depois, essas são ainda algumas das inquietações que nos assomam, e talvez seja esse um dos fatores que tornam o livro um clássico da literatura.

laranja mecânica resenha livro

Creio que o desejo de restringir o livre-arbítrio é o verdadeiro pecado contra o Espírito Santo.

– A. Burgess, 1972.

Apesar de toda a inovação em relação à linguagem e o tema pesado, a leitura é muito fluida, se dá de maneira muito rápida. Alex tem, apesar de tudo, muito senso de humor, o que torna tudo mais fácil de ser digerido. Toda a ideia é baseada em caricatura, em causar mais impressões do que ser realista. Por isso, a violência – que eu esperava ser muito mais brutal e pesada – é tratada de forma que não me incomodou ou causou desconforto.

Sobre a edição comemorativa de 50 anos, não se pode dizer menos do que incrível. Temos capa dura e jacket/luva, diagramação linda, papel de qualidade e muito esmero. Ela inclui: ilustrações exclusivas de Angeli, Dave McKean (parceiro de Neil Gaiman, e concept artist de Harry Potter) e Oscar Grillo; notas culturais do editor; trechos do livro restaurados pelo editor inglês, artigos e ensaios escritos pelo autor, inéditos em língua portuguesa; assim como uma entrevista inédita com ele, e ainda a reprodução de seis páginas do manuscrito original, com anotações e ilustrações do autor.

laranja mecânica resenha livro

Curiosidades: no mundo da música, a obra influenciou uma série de artistas. A banda Sepultura, em 2009, lançou o álbum A-lex, totalmente inspirado no livro. Assim como foi da obra que a banda anglo-irlandesa tirou o nome Moloko. David Bowie inspirou também nele para criar o visual do álbum e do personagem Ziggy Stardust.

Heath Ledger citou Laranja Mecânica como uma das principais referências para compor sua elogiada interpretação do Coringa. No Brasil, o estilista Alexandre Herchcovitch apresentou uma coleção inteira inspirada no filme, em 2011.

laranja mecânica resenha livro

Pamela Caitano
22 anos. Jornalista e curiosíssima por histórias. Encontrou nas palavras amor, a profissão, e refúgio.

Comments

comments

Você pode gostar de

2 Comentários

    1. Oi, Julia, tudo ótimo e com você?

      Eu também tinha pa-vor, porque tentei assistir ao filme uma vez e fiquei assustada. A leitura é impactante, mas não é desconfortante ao ponto de tornar a leitura tão perturbadora não. Achei que seria mil vezes pior. :B

      Vai sem medo, haha.

      Obrigada ♥

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *